header_img

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Responsabilidade e Influência do Designer no lançamento de novos produtos

Recentemente estou trabalhando em alguns projetos gráficos para psicanalistas e pude observar de perto uma questão que causou polêmica essa semana entre esses profissionais a respeito do lançamento de um novo produto. Então achei interessante publicá-lo aqui  para ser discutido entre designers e futuros designers.

Mônica Bergamo – Folha Ilustrada FOLHA DE S.PAULO (06/04/2011): "MEU PRIMEIRO SUTIÃ 1 Um sutiã cor-de-rosa com bojo de espuma imitando o formato de seios é vendido em tamanho seis (para menina de seis anos) nas Lojas Pernambucanas. O produto leva etiqueta da Disney e tem estampa de Sininho, a fada de "Peter Pan", na calcinha do conjunto, que custa R$ 15,90. A Disney e as Pernambucanas não responderam quem projetou a peça, sua vendagem nem se o bojo infantil é funcional ou estético. MEU PRIMEIRO SUTIÃ 2 Casos similares geraram comoção pelo mundo nas últimas semanas. Nos EUA, a grife Abercrombie retirou de sua loja virtual, na semana passada, um biquíni para meninas de sete anos que tinha parte superior "push-up", que projeta os seios. Na Inglaterra, em março, a rede Primark doou para ONGs de defesa infantil a renda da venda de um biquíni com bojo para meninas de sete anos."
Imagem: rafavac.blogspot.com

A polêmica gira em torno da "adultização" e precoce erotização que o produto induz para meninas de 6 anos de idade, sendo extremamente prejudicial a saúde mental dessas crianças, visto que ainda são despreparadas emocionalmente para esta exposição. Visando somente o lucro, já que bojo para meninas de 6 anos não tem absolutamente nenhuma função real, essas empresas colocaram no mercado um produto sem medir as conseqüências que poderão gerar na sociedade e nos seus consumidores (no caso a perda da infância e o apelo sexual).


Segundo matéria publicada no site do Instituto Alana "Além do problema da erotização precoce, há a questão do consumo exacerbado e dos valores materialistas . (...) A criança cresce preocupada com sua aparência, extremamente consumista e com valores distorcidos".

O mais interessante é perceber o quanto podemos influenciar um comportamento social e o quão longe podem chegar as consequëncias de um design de produto mal empregado e sem comprometimento ético.

.