header_img

segunda-feira, 29 de março de 2010

Vida de designer

Aproveitando a carona, conto um pouco da minha história...

Fiquei batendo na mesma tecla por 5 anos desde que me formei. Desenhava objetos, móveis e luminárias (basicamente o sonho de qualquer designer recém formado.Tinha um sócio e investimos muito dinheiro em nossos projetos, pq ninguém está disposto a jogar um projeto na mão de 2 desconhecidos.... Fizemos coisas bacanas, inclusive uma cadeira foi menção no MCB em 2009, 2° lugar no movelpar e finalista no movelsul, tudo em 2009. Era uma cadeira bastante diferente, que fazíamos em fibra de vidro, mas com enorme potencial para ser injetada. Aqui no brasil ninguém se interessa em desenvolver isso. É mais fácil fazerem um molde para copiar uma cadeira italiana, vai vender mais... E tá cheio de cópias das cadeiras do starck. tudo feito aqui!!! conheço quem faz!!! A única coisa que ouvia é: “ muito interessante, pena que é de fibra de vidro, não é ecológico!!” eu sei disso, mas é oq posso fazer com meu dinheiro!!!!!! Um empresário australiano queria comprar para levar pra fora, mas me disse. Desenvolve em material natural que eu compro. Fui atrás de fibra de côco e resina de mamona. Mas a resistência não é igual, e o preço é 3 vezes mais caro, aí reclamam que é caro..... enfim ninguém ajuda, só fica dando palpite e não entende pelo que passava.

Fui para Milão, levei folders, fui nas empresas e nada. Todo mundo acha linda, mas nada... Aí fico limitado à minha produção artesanal, ia até Ferraz de Vasconcelos - pra quem não conhece é o extremo da zona leste - para um cara que trabalha com jet-ski fazer no quintal de casa. Isso pq nem as empresas que fazem móvel de fibra queriam fazer, afinal é muito mais lucrativo fazer poltrona swan e cadeira panton.

Depois de toda essa correria vc tira um lucro de 100,00 reais a cada cadeira vendida, e tenta colocar nas lojas. Aí o cara coloca do lado da cópia da panton, num preço 3x mais caro e vende 5 por ano!!!
e ainda ouço falarem: “ nossa mas e mais cara que a panton!!!!” porra aquilo não é cópia!!!!é um design nacional, inovador, premiado....

Conheci um outro designer mto bacana que já tem um nome no meio, premiado em concursos e tal. Ele me disse que viver disso no Brasil é uma utopia. Ele trabalha numa empresa que não tem nada a ver com design, pois tem de sustentar uma casa. Ele me disse que tinha uma peça que estava sendo produzida por uma empresa italiana e pagam royalties (entrei no site, vi a peça lá. Se vc jogar o nome no Google aparece vendendo em vários lugares). Me contou que ficou mandando e-mail até a empresa responder. Um dia resolveram investir nela, fizeram molde pra injeção de poliuretano, e tocaram o pau. Coisa de primeiro mundo. Aí pensei, poxa esse é o caminho, vou insistir e levá-la pra fora. Sabe quanto ele recebe de royalties por ano? Em torno de 1000 euros, isso mesmo, mil!!! Ou seja uns 2.500 reais por ano. A bagatela de 208 reais por mês!!!! Caí na Real e comecei a repensar minha carreira qd escutei ele me dizendo: “Design pra mim é brincadeira, terapia...... eu tenho que ganhar dinheiro em outro lugar”. Não que não haja pessoas que consigam viver disso, muito pelo contrário, conheço vários. Muitos são bons, muitos deram sorte, muitos tem “costas-quente”, tem dinheiro de família ou então não precisam disso para viver. Aí vemos seus nome em revistas e pensamos: “nossa, estão super bem, ganhando bem!!!”. É tudo muito ilusório. Vou anualmente para Milão, morei lá quando criança, e vejo no satélite e fuori salone coisas espetaculares, diria geniais. Nem 1 /10 das pessoas ali, conseguem levar pra frente seu protótipos. Mas na Europa e EUA a realidade é outra. Lá as bases salariais são outras. Até brinco que nos EUA e Europa o frentista do posto ou a empregada domestica tem casa, família, cachorro e consegue levar sua vida. Aqui a coisa é mto mais complicada. É difícil se virar, ainda mais qd se tem de investir para se fazer um novo produto e depois colocá-lo na mão de empresas e lojas que lucram absurdamente. Ouvi Falar que empresas de móveis como tok stok e Etna já quebraram mtos pequenos fabricantes. Eles pedem 1000 peças, o cara investe para produzir faz tudo bonitinho, e aí caso achem defeito em uma pequena amostragem devolvem tudo!!!!

Eu classificaria o design no Brasil como o futebol: a referência que todos vêem e querer ser é um jogador de clube grande, com salário de 10, 50, 100 mil. Agora e os 90% dos jogadores que jogam em clubes do interior do acre, ou amazonas, que não tem dinheiro nem para pegar o ônibus que leva ou treino, desses ninguém lembra.

Nesses 5 anos de cabeçadas aprendi que o melhor reconhecimento do nosso trabalho é o dinheiro na conta, pois publicação em revista e concurso de design não pagam o aluguel!!!!!
Isso sem contar nos muitos outros produtos que desenhei, que mostrava em lojas e a empresas e me falavam, nossa que maravilhoso, quanto custa? Aí vc explica que está em desenvolvimento, buscando parceria com empresas. Te falam assim. “Quando tiver pronto me traz que faço um pedido”. Aí vc gasta 4 mil para desenvolver, leva lá e nem te atendem.... e assim vai....

A verdade é que cansei de pagar para trabalhar. Meu ex-sócio tinha de se sustentar e teve de procurar um emprego na área. Arrumou um numa empresa de móveis e com seu conhecimento, de chão de fábrica que adquirimos juntos, recebeu a proposta de emprego que em pouco tempo seria o chefe do design, pois sabia mto mais que os outros funcionários. Está lá há mais de um ano, foi tocar no assunto com o dono e ele desconversoue fica pedindo pro cara ficar copiando peças de concorrentes..... Trabalha pra pagar as contas. Se é para fazre assim é melhor trabalhar em outra área!!!!!

Larguei mão de tudo, já estava me preparando para entrar em outra área quando fui fazer uma pós em design de interiores. Hj sou responsável pelos projetos e atendimento ao cliente de uma marcenaria de alto padrão do interior de SP. O Dono tb é designer e queria uma pessoa com conhecimento técnico, que pudesse atender clientes, fazer projetos e até ajudar em dias de instalação se necessário. Trabalho perfeito pra mim, bastante dinâmico... Estou engatinhando ainda nesse ramo, mas estou com bastante expectativa com relação ao futuro, pois a maioria dos profissionais da área de marcenaria são enrolados, então quanto mais gente ruim tiver, mais fácil podemos nos destacar.

Apesar de tudo graças a Deus eu ainda trabalho com design. Conheço outras pessoas que infelizmente não tinham o respaldo que tive da minha família e tiveram que abandonar a área, pois tem que se sustentar, e o salário que pagam a um designer é vergonhoso. O valor do salário é inferior ao da mensalidade de muitas faculdades de design!!!! Estagiei em um escritório bacana de design que está super bem hj. Em 2003 me falaram que estavam começando e que não poderiam me pagar nada, mas que o conhecimento que eu iria adquirir ali seria fantástico. Realmente, fiquei 1 ano e aprendi demais, foi mto bom... Ano passado estava na faculdade onde fiz a pós e conheci um menino da graduação que veio comentar que tinha feito uma entrevista nesse mesmo escritório, mas que não sabia se pegaria ou não, pois tinha de ajudar o pai a pagar a faculdade e o pessoal do escritório falou que infelizmente não podia pagar nada, que o aprendizado seria muito grande ali. Comecei a rir, pois 7 anos depois, com muito mais dinheiro na conta é a mesma conversa!!!!! Essa é a mentalidade de muitos brasileiros, tirar vantagem!!!! São os escritórios, as lojas, os fabricantes.....

Enfim, aqui vai o desabafo de um designer apaixonado pela profissão, mas que não concorda com o sistema, as empresas, alguns profissionais que atuam no mercado. Hj me sinto um vitorioso, pois mesmo não sendo exatamente com o design de minhas peças, posso continuar usando minha criatividade e meus conhecimentos como designer. Quem sabe em algum momento qd tiver feito minha vida e tiver dinheiro na conta, possa voltar a investir em minhas peças, mesmo que por hobbie....

Um grande abraço a todos

.